Vendas: 0800 033.3393 +55 11 97095-1626
Os efeitos colaterais mais comuns causados pela braquiterapia

Os efeitos colaterais mais comuns causados pela braquiterapia

Publicado por: Wecare Publicado: 23/10/2019 Visitas: 24223 Comentários: 1

A braquiterapia é um procedimento radioterápico indicado para o tratamento de alguns tipos de câncer, como de próstata ou mama, principalmente nos estágios iniciais da doença, quando o tumor não se espalhou para outros órgãos ou gânglios linfáticos.

Diferente da radioterapia convencional, onde é utilizada uma fonte externa de alta precisão para atacar a doença, na braquiterapia se coloca um material (como uma cápsula ou semente) dentro do corpo do paciente, que servirá como um receptor da radiação e deixará o tumor no meio deste fluxo.

A braquiterapia é um procedimento ambulatorial, ou seja, não exige que o paciente seja internado para sua realização. As sessões do tratamento costumam durar em torno de 1 hora, com aplicação de anestesia parcial ou total – o efeito de recuperação pode durar até 4 ou 5 horas. A quantidade total de sessões da braquiterapia varia de acordo com o tipo de câncer e as condições de saúde do paciente.

Esse tratamento passou por uma série de evoluções tecnológicas que hoje permitem ser um procedimento seguro para o paciente, com uma carga de radiação baixa o suficiente para evitar algum risco elevado de reações.

Outra vantagem da braquiterapia é permitir uma dose de radiação em uma área mais limitada, sendo mais efetiva no combate às células tumorais e com menos danos às áreas ao redor do câncer.

Em alguns pacientes poderá haver efeitos colaterais da braquiterapia e, com acompanhamento clínico e seguindo orientações médicas, poderá amenizar ou mesmo eliminar esses quadros. Conheça quais são e como proceder em casa caso.

Possíveis reações na Braquiterapia

Após a realização do tratamento, poderá haver três tipos de efeitos colaterais da braquiterapia: imediato, em curto prazo e em longo prazo. Essas reações, em vários dos casos, são semelhantes aos que estão presentes na radioterapia – e podem ocorrer até em menor escala na braquiterapia.

Reações imediatamente após a Braquiterapia:

Dor ou Hematomas

Logo após uma sessão do tratamento, o paciente pode sentir dor ou inchaço na região tratada, que podem ser acompanhadas de um hematoma, decorrentes da ação da radiação localizada.

Essas reações são mais suaves e costumam durar no máximo alguns dias. O médico pode prescrever medicamentos para inibir essas dores, caso seja necessário.

Reações no Aparelho Urinário

Nos casos da braquiterapia aplicada para o tratamento do câncer de próstata ou ginecológico, por ser necessário incluir o material receptor dentro do paciente, o uso de cateteres no local pode causar reações como queimação, fluxo fraco de urina ou urgência em urinar. Principalmente nos homens, a próstata pode inchar e dessa forma irritar a uretra.

O médico especialista pode indicar remédios para ajudar a reduzir esse quadro, que pode passar depois de algumas semanas após o tratamento. É importante que o paciente evite atividades manuais pesadas logo após uma sessão de braquiterapia e mantenha-se bem hidratado, com a ingestão de bastantes líquidos.

Reações à curto prazo da braquiterapia

Alguns dias depois do tratamento, o paciente pode sentir alguns dos sintomas abaixo. Esses efeitos colaterais da braquiterapia não são perceptíveis logo após uma sessão, e exigem atenção para evitar quaisquer complicações futuras. Principalmente pacientes mais velhos (acima dos 70 anos), são mais suscetíveis a passar por esses quadros.

Urina com sangue

O paciente que realiza o tratamento do câncer de próstata pode ter sangramento no local ou perceptível no ato de urinar. Alguns dias depois do procedimento, a quantidade de sangue pode ser pequena.

No entanto, se for um sangramento mais denso e pesado, até mesmo com quadro febril ao paciente, é necessário o atendimento médico imediato.

Dificuldades para urinar

Se após alguns dias das sessões de braquiterapia o paciente persistir com dificuldades para urinar, deve ser chamado o médico para uma avaliação mais precisa.

Essa dificuldade pode ser comum durante as sessões (devido à utilização dos cateteres para colocar o material receptivo), mas costuma ser superada após a finalização do tratamento.

Reações ao longo prazo da braquiterapia

Existem relatos de efeitos colaterais da braquiterapia de semanas ou meses após o tratamento, mas são raros os casos. Geralmente ocorrem em pacientes mais velhos ou com a imunidade mais frágil.

Constipação

Esse quadro pode ocorrer mais de um mês após a braquiterapia, geralmente causado se for utilizados muitos medicamentos para o quadro de dor durante a sessão ou para se recuperar mais rapidamente da anestesia.

No caso de pacientes com câncer de próstata, pode ser causado também pela inflamação na glândula, que acaba pressionando o intestino.

Algumas dicas podem ajudar a evitar a constipação:

- Ter um dieta bem balanceada, com frutas, verduras e alimentos ricos em fibras, além de evitar alimentos gordurosos, ultraprocessados e embutidos;

- Manter-se bastante hidratado, com a ingestão de pelo menos dois litros diariamente e de preferência água;

- Conversar com um fisioterapeuta ou algum especialista para seguir uma série de exercícios leves após o tratamento.

Caso ainda assim ocorra a constipação, o médico poderá recomendar laxantes ou produtos semelhantes para ajudar o paciente.

Disfunção erétil

Os pacientes com câncer de próstata que passarem pela braquiterapia podem apresentar problemas eréteis algum tempo após o tratamento. Trata-se de casos raros, mas que exigem atenção pois podem atrapalhar o homem a ter ou manter uma atividade sexual ativa.

Por isso é necessário conversar com o médico especialista sobre um possível risco de disfunção erétil, pois cada caso deve ser avaliado individualmente para um tratamento ou prevenção mais eficaz.

Alterações intestinais

Outro efeito colateral que pode vir a ocorrer são problemas intestinais. Essa reação pode ser considerada rara, mas pode vir a ocorrer situações como diarreia ou dores abdominais.

Para evitar ou amenizar esse quadro, pode ser feito o uso de medicamentos indicados por um especialista e é importante manter uma dieta saudável após as sessões de braquiterapia, com alimentos ricos em fibras e presença de frutas, verduras e cereais nos pratos.

Reações na Pele

Assim como a radioterapia externa, o paciente que passar pela sessão de braquiterapia pode vir a ter efeitos colaterais na pele – em menor escala do que a radiação convencional.

A radiodermite, que são pequenos ferimentos na pele, pode ocorrer nos pacientes um tempo após o tratamento. Inicialmente elas não são percebidas e podem até serem confundidas com os hematomas e assaduras dadas no primeiro momento, mas a radiodermite exige uma atenção imediata do médico, pois pode causar a interrupção do tratamento de câncer.

A utilização de cremes especializados para a pele do paciente oncológico ajuda a amenizar ou até evitar que essas feridas se desenvolvam.

Todas as sessões de radioterapia, seja externa ou braquiterapia, precisam de um cuidado do paciente com a sua pele. Por isso é importante conhecer quais os aliados durante o tratamento: confira essa lista de produtos indicados para o paciente em tratamento de radioterapia.

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.