0800 033.3393 +55 11 97095-1626
Queda de cabelos na quimioterapia: mitos e verdades

Queda de cabelos na quimioterapia: mitos e verdades

Publicado por: Wecare Publicado: 02/05/2018 Visitas: 15522 Comentários: 2

Se você ou um familiar vai passar pelo tratamento de um câncer, pode vir a mente aquela imagem de uma pessoa careca, talvez utilizando um lenço na cabeça, sendo atendida por um médico. É um cenário apresentado em filmes como Uma Prova de Amor, Já Sinto Saudades ou 50%, que, ao retratar um paciente com câncer, precisam incluir durante a história um ritual de passagem que é raspar os cabelos para aceitar o tratamento que está por vir. Mas calma: esse é um acontecimento presente para alguns pacientes, mas não para todos.

Por isso, não se assuste e nem tome decisões precipitadas. Converse com o seu médico para verificar qual o tipo de câncer e o tratamento que você deverá passar. São informações iniciais e que te ajudarão até mesmo a prever se a alopecia (o nome técnico dado a “queda de cabelos”) ocorrerá.

A quimioterapia tem como alvo todas as células que se dividem rapidamente pelo organismo – característica presente nas células tumorais, que sofrem uma mutação genética e passam a crescer descontroladamente. Esse também é um atributo dos fios capilares, que tem uma divisão celular acelerada e, por isso, alguns tratamentos com quimioterapia podem levar à queda de cabelos.

Ainda assim, há mitos e verdades sobre a queda de cabelos durante a quimioterapia. É importante desmitificá-los para evitar surgir um temor sobre uma possível reação do organismo que em muitos casos podem sequer ter relação com a saúde do paciente.

Toda quimioterapia faz o cabelo cair?

Depende. Há dezenas de medicamentos para a quimioterapia, que podem ser combinados de diversas formas. Isso possibilita o surgimento de várias formas de tratamento, que resultam em diferentes reações – que podem ser potencializadas. A alopecia (queda de cabelos) é somente uma dessas reações e sua ocorrência pode vir ou não a acontecer.

Tudo dependerá do tipo de medicamento e do organismo do paciente oncológico, fator que interfere na variação de efeitos colaterais. Por isso é comum ver algumas reações adversas como náuseas, diarreia e a queda de cabelos mais em alguns pacientes do que em outros.

Se o risco da alopecia já for esperado, o acompanhamento médico pode ser fundamental para inibir um pouco o efeito, utilizando medicamentos e equipamentos que podem reduzir a força desses efeitos colaterais.

Para começar o tratamento é preciso raspar a cabeça?

Mito. Pelo menos pelo lado fisiológico, a queda de cabelos não necessariamente ocorrerá durante o tratamento oncológico.

Alguns pacientes tomam como ponto de motivação o início dessa jornada o ato de raspar os cabelos, antevendo sua queda; mas você não precisa obrigatoriamente fazer isso, mesmo se a alopecia passar a ocorrer durante o tratamento.

Não tem como evitar a queda de cabelo?

Depende. Caso a queda de cabelo realmente passe a vir ocorrer durante o tratamento quimioterápico, existe algumas técnicas e medicamentos que podem inibir a alopecia. Um exemplo é o uso de toucas de resfriamento, equipamento que reduz a temperatura no couro cabeludo e a queda de cabelos. Isso ocorre, pois, ao resfriar o local, reduz a circulação sanguínea no couro cabeludo e as quedas em até 50%. Alguns pacientes durante o tratamento oncológico já testaram a touca de resfriamento e, apesar do desconforto inicial, conseguiram reduzir a queda de cabelos.

O mais importante, em todos os casos, é consultar o médico. É ele quem poderá conversar sobre o uso da touca ou até de medicamentos que, combinados com a quimioterapia, podem ajudar a inibir a queda de cabelo e outros efeitos colaterais, como náuseas e diarreia.

Leia também: O que fazer com a coceira durante a quimioterapia.

É impossível disfarçar a queda de cabelo?

Depende. A queda de cabelos pode acontecer duas semanas depois de iniciada a quimioterapia. Alguns pacientes podem querer disfarçar até mesmo que estão fazendo um tratamento ou, ao menos, os efeitos adversos ocorridos. É o caso da ex-presidente Dilma Rousseff, que passou por um Linfoma não-Hodgkin em 2009 e utilizou perucas.

Se a queda de cabelos ocorrer, o paciente pode utilizar além de perucas, lenços e chapéus. Esses acessórios ajudam na proteção do couro cabeludo dos raios solares. Se não estiver utilizando algum deles, recomenda-se o uso de protetor solar.

O cabelo não volta a crescer após a quimioterapia?

Mito. Depois que o paciente passar pela quimioterapia, o cabelo voltará a crescer. No entanto, é comum que a textura e o formato, inicialmente, sejam diferentes do padrão anterior ao tratamento. Com o tempo, os cabelos, na maioria dos casos, voltam à sua textura normal.

É possível acelerar o crescimento do cabelo após a quimioterapia?

Em entrevista ao instituto vencer o câncer a Dra. Cristina Abdalla, do departamento de oncologia do Hospital Sírio-Libanês, diz: Acelerar, não, porque depende muito se o seu cabelo já costumava crescer rápido ou de uma maneira mais lenta. O normal é que em aproximadamente 40 dias os primeiros fios comecem a aparecer. Entretanto, em alguns pacientes demora bem mais ou o cabelo começa a nascer com falhas. Nesses casos, geralmente se encaminha o paciente para um dermatologista especializado que pode indicar o uso de tonalizantes específicos.

A dra. Abdalla dá uma dica para o pós-tratamento. “Você pode estimular o crescimento fazendo massagens com algum óleo diariamente na região do couro cabeludo, e sempre proteger a cabeça com protetor solar, chapéus e/ou lenços.”

Pode pintar os cabelos durante o tratamento quimioterápico?

É recomendado utilizar a tintura de cabelo apenas após três meses do final do tratamento, pois ela é composta por produtos químicos. Eles podem causar feridas no couro cabeludo sensível, além de enfraquecer a estrutura dos fios novos.

Existem alternativas a tintura de cabelo que seu médico poderá indicar.

Se não houver a queda de cabelo durante a quimioterapia, que serve como um marcador temporal importante nesses casos, consulte um especialista.

Se o cabelo caiu, é preciso lavá-lo com xampu?

Verdade. Mesmo que o paciente esteja careca, o uso de xampu durante o banho é essencial para a sua saúde e higiene. Priorize xampus bastante suaves, como os infantis.

Agora que você já está por dentro dos mitos e verdades sobre queda de cabelos na quimioterapia, temos um conteúdo explicando os motivos de ocorrer a queda de cabelos durante a quimioterapia, e você ler clicando aqui.

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts