Vendas: 0800 033.3393 +55 11 97095-1626
Como é feita a radioterapia contra o câncer de mama?

Como é feita a radioterapia contra o câncer de mama?

Publicado por: We Care Publicado: 09/10/2018 Visitas: 32593 Comentários: 1

A radioterapia é um dos mais utilizados tratamentos oncológicos em todo o mundo. Aliada à cirurgia ou feita de forma isolada, ela tem como objetivo destruir as células tumorais por completo.

O tratamento consiste na aplicação de feixes de radiação sobre a área onde está localizado o tumor, porém, células saudáveis também podem ser afetadas pela radioterapia contra o câncer de mama.

Existem dois tipos de radioterapia e, hoje, vamos explicar como é feita a radioterapia contra o câncer de mama em ambos os casos.

Em que casos a radioterapia é necessária na mama? 

Nem todas as mulheres com câncer de mama recebem a indicação da radioterapia. Somente a equipe médica poderá determinar a necessidade de cada tipo de tratamento, em concordância com o estado da doença e também da paciente.

A radioterapia para o tratamento do câncer de mama pode ser indicada nos seguintes casos:

  • Após a cirurgia conservadora da mama, para diminuir as chances de recidiva na mama ou nos linfonodos próximos;

  • Após uma mastectomia, principalmente se o tumor estava localizado nos linfonodos ou se tinha mais de 5 cm de diâmetro;

  • Se o tumor estava disseminado (se espalhando) para outros órgãos, como ossos ou cérebro.

 

Procedimento – Como é feita a radioterapia contra o câncer de mama? 

Existem dois tipos de radioterapia, sendo a externa e a interna. A escolha do tipo de radioterapia é de exclusividade médica, e respeita limitações da paciente, do tumor e do estado geral de saúde.

Radioterapia externa 

A radioterapia externa é a mais comum utilizada contra diversos tipos de câncer. Ela consiste na aplicação externa de feixes de radiação sobre a área afetada. As doses são fracionadas, a aplicação dura apenas alguns minutos por dia e a paciente não sente nada durante o procedimento.

As áreas que serão irradiadas dependem do tipo de cirurgia realizada, podendo ser a mastectomia ou a cirurgia conservadora da mama. Outro ponto a ser considerado é se os linfonodos estavam ou não comprometidos.

Os tipos mais comuns de radiação utilizados são os Raios X ou Gama (eletromagnéticos) e os elétrons, produzidos por aceleradores lineares de alta energia.

A radioterapia contra o câncer de mama é administrada 5 dias na semana, geralmente de segunda a sexta-feira, durante um período de aproximadamente 5 a 6 semanas. Porém, recentemente surgiram novas modalidades que visam diminuir o período, mediante a aplicação de doses maiores por sessão (hipofracionamento).

Radioterapia interna – ou braquiterapia 

A braquiterapia é um tipo de radioterapia para tratar o câncer de mama feito internamente. Neste procedimento, o agente radioativo é implantado dentro ou próximo ao órgão a ser tratado. São utilizadas fontes radioativas específicas, implantadas por meio de cateteres ou sondas.

O tratamento é geralmente realizado duas vezes ao dia, com a paciente em regime ambulatorial (tendo que comparecer ao hospital para realizar o tratamento).

Leia também: 11 mitos e verdade sobre a radioterapia

Possíveis efeitos colaterais da radioterapia contra o câncer de mama 

Tanto a radioterapia externa quanto a interna podem ocasionar o aparecimento de alguns efeitos colaterais. A radiação é um feixe de energia que não pode ser isolada para atingir somente as células tumorais, e acaba atingindo células saudáveis também.

Dentre os efeitos colaterais mais comuns estão:

Uma boa forma de evitar os efeitos colaterais sobre a pele durante a radioterapia contra o câncer de mama é com hidratação. A pele da paciente perde sua hidratação e proteção natural com a aplicação do feixe de radiação, o que contribui com seu enfraquecimento, aumentando o risco de infecções por fontes externas.

Quando a pele está hidratada, ela ganha novamente sua proteção, melhorando não somente a resistência contra essas infecções, mas também a resposta ao tratamento na diminuição dos efeitos colaterais.

Infelizmente, os hidratantes e sabonetes comuns podem conter componentes que se tornam agressivos a pacientes que estão passando pela radioterapia contra o câncer de mama, sendo contraindicados.

Leia também: Problemas de pele durante o tratamento oncológico

Por isso que desenvolvemos uma linha de hidratantes especialmente para pacientes passando por este tratamento. Os produtos são livres de qualquer componente agressivo à pele sensível, sendo os mais indicados durante o tratamento.

Para a limpeza da pele, é recomendado o Washcare, que é uma espuma de limpeza suave. Ela limpa sem remover a proteção da pele e sem alterar o PH natural.

Para a hidratação, é recomendado o Extremecare, um poderoso ultra-hidratante que age profundamente, promovendo a hidratação até mesmo nas áreas mais ressecadas ou afetadas pela radioterapia no tratamento do câncer de mama, ideal para usar durante o tratamento.

Por fim, a Coolcare Mask é uma máscara que forma uma fina película sobre a pele. Suas propriedades são calmantes e refrescantes, trazendo alívio à pele afetada pela radioterapia. Para remover, basta puxar a película, que sai totalmente sem deixar resíduos.

É recomendado que a paciente inicie os cuidados o quanto antes, a fim de preparar a pele para receber a radioterapia no tratamento do câncer de mama. Assim, os riscos de aparecimento de efeitos colaterais serão bem menores.

 

 

Gostou do post? Compartilhe com seus amigos e ajude mais pessoas a entender como é feita a radioterapia contra o câncer de mama!

 

Fonte utilizada para este artigo:
http://www.oncoguia.org.br/conteudo/radioterapia-para-cancer-de-mama/1406/265/

Produtos relacionados

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.