0800 033.3393 +55 11 97095-1626
Saiba quais são os efeitos da quimioterapia na pele

Saiba quais são os efeitos da quimioterapia na pele

Publicado por: Wecare Publicado: 07/08/2018 Visitas: 763 Comentários: 0

Atualmente, existem muitos tratamentos diferentes para o câncer. Os mais conhecidos popularmente são a quimioterapia, a radioterapia e a cirurgia. Porém, até mesmo dentro da quimioterapia existe muita variação.

Isso porque nem todo tipo de câncer requer o mesmo tratamento, e a forma de quimioterapia necessária pode ser diferente do que se imagina. Existem quimioterapias intravenosas (as mais conhecidas), injetáveis ou orais, e as drogas aplicadas também são variadas.

Portanto, cada paciente pode apresentar um tipo de efeito diferente, ou não apresentar efeitos. Hoje, trouxemos uma relação dos efeitos da quimioterapia na pele que são mais comuns entre os tratamentos conhecidos.

É importante dizer que não são todos os tratamentos que causam esses efeitos e, mesmo que o paciente passe por um desses tratamentos, ainda assim pode não apresentar essas reações. Tudo depende de paciente para paciente.

 

Como a quimioterapia age na pele? 

Os efeitos da quimioterapia na pele costumam aparecer ao longo do tratamento quimioterápico em ondas. Ou seja, numa primeira fase, serão notados certos efeitos, enquanto nas fases seguintes, os efeitos podem ser outros.

Isso acontece porque, de modo geral, a quimioterapia age sobre as células do organismo sem distinção. Ou seja, a droga ataca tanto células cancerosas quanto células saudáveis. Isso ocasiona o aparecimento de alguns efeitos colaterais, sobretudo na pele.

A seguir, você vai entender um pouco melhor sobre os principais efeitos da quimioterapia na pele e como cuidar e/ou prevenir estes efeitos. Acompanhe!

 

Os mais comuns efeitos da quimioterapia na pele 

 

Lesões Acneiformes

Alguns tipos de quimioterapias podem causar um sintoma muito semelhante à acne, com erupções cutâneas na pele. Este quadro é um efeito colateral leve, mas que, se não for cuidado, pode evoluir para algo mais grave.

Ao apresentar este sintoma, o paciente deve conversar com seu médico para determinar a melhor forma de tratamento. Podem ser utilizados antibióticos tópicos ou sistêmicos, além da hidratação da pele e a proteção solar.

O paciente deve evitar a exposição ao sol, uma vez que esta exposição pode agravar os sintomas e fazer o quadro evoluir. Com os cuidados certos e a orientação do médico, é possível reverter esse efeito da quimioterapia na pele e seguir com o tratamento normalmente.

 

Fissura na ponta dos dedos 

As fissuras são rachaduras que podem aparecer principalmente na ponta dos dedos das mãos, sendo incômodas e impedindo que o paciente utilize as mãos em tarefas simples do dia a dia. Se não tratadas, as lesões podem evoluir para ulceração, necessitando tratamento com antibióticos e, em último caso, modificação do tratamento.

Para prevenir, o paciente deve hidratar a pele todos os dias e evitar exposição ao sol, bem como o contato com produtos químicos, como detergentes e produtos de limpeza. Caso apareçam os sintomas de fissura, o médico deve ser consultado para definir tratamento de uso tópico ou oral.

 

Paroníquia 

A paroníquia é um efeito da quimioterapia na pele ao redor das unhas que causa ressecamento e inflamação. Se não forem tomados os devidos cuidados, a inflamação pode se agravar e formar carne esponjosa entre a pele e a unha.

Dependendo da gravidade da paroníquia, pode ser necessário cauterizar a região para seguir com o tratamento e diminuir o incômodo.

Para tratar e prevenir, é essencial hidratar a região das unhas, além de mantê-las sempre muito bem limpas. Mulheres que têm o costume de ir à manicure devem tomar cuidado redobrado, pois qualquer lesão na região das cutículas pode abrir uma porta para infecções.

Se o paciente seguir as recomendações médicas e evitar atritos nas mãos, além de hidratar diariamente, o quadro deve ser amenizado ou pode nem chegar a existir.

 

Couro cabeludo sensível 

O couro cabeludo sensível é outro dos possíveis efeitos da quimioterapia na pele, e deve ser tratado com bastante cuidado. Por vezes, são observadas erupções semelhantes à acne no couro cabeludo do paciente, o que pode causar incômodo.

Neste caso, é recomendado utilizar fronhas de cetim ao invés das de algodão, pois as de cetim oferecem menos atrito para a pele. Também é preciso conversar com o médico e pedir a indicação de shampoos próprios para casos como este. Não se deve utilizar shampoos com sal.

Com os cuidados corretos, o paciente consegue passar pelo tratamento sem maiores problemas com este efeito.

 

Síndrome mão-pé 

A síndrome mão-pé é um efeito da quimioterapia na pele que se desenvolve nas palmas das mãos e solas dos pés. Inicialmente, o paciente sente um formigamento e percebe uma vermelhidão no local. Se não for tratada, pode apresentar descamação, sensação de queimação e feridas.

Para tratar, é essencial manter mãos e pés muito bem limpos e hidratados todos os dias. Não devem ser utilizados sapatos apertados, nem usar calçados durante muito tempo. Deve-se também evitar o contato com produtos químicos, como os de limpeza.

Novamente, seguir as orientações pode contribuir para o retardamento deste efeito, ou sua completa inexistência.

 

 

Não é qualquer hidratante que pode ser usado 

Boa parte da prevenção aos efeitos da quimioterapia na pele é através da hidratação diária. Porém, essa hidratação não pode ser feita com hidratantes comuns. Estes produtos possuem componentes que podem agredir a pele do paciente, que se torna extremamente sensível. Esses componentes incluem os parabenos, ureia, fragrâncias e corantes. Portanto, um hidratante para pacientes oncológicos deve ser livre de todos esses elementos.

 

Wecare Skin 

Felizmente, a Wecare está a par desta situação, e desenvolveu produtos eficazes e seguros, especialmente direcionados a pacientes oncológicos. São produtos como o hidratante Moistcare, a espuma de limpeza Washcare e o ultra-hidratante Extremecare.

Todos são livres de parabenos, ureia, corantes e fragrâncias. Seus princípios hidratantes e calmantes provêm da aloe vera, da camomila, da aveia, e de aminoácidos naturais que não agridem a pele.

Assim, o paciente pode fazer uso diário destes cuidados e prevenir os efeitos da quimioterapia na pele, além de conseguir amenizar efeitos que já estejam presentes e retardar a sua evolução.

É sempre recomendado tomar muito cuidado com todo tipo de produto que o paciente utiliza, pois certos elementos como os citados anteriormente podem apenas prejudicar a pele ao invés de ajudar.

Com os cuidados certos e diários, é possível retardar o aparecimento dos efeitos da quimioterapia na pele e ter uma melhor qualidade de vida durante o tratamento.

 

 

Fontes:

https://www.youtube.com/watch?v=fVXnI6SgI4g

Produtos relacionados

Posts relacionados

Comentários

Escreva o comentário

Veja todas Últimos Posts